• Há mais de 20 anos no mercado
  • 11 3052-3311
Generic selectors
Exact matches only
Buscar nos títulos
Buscar no conteúdo
Buscar nos posts
Buscar nas páginas
Vídeos
Finanças corporativas
Insights
Novidades
Destaques

Tendências teve participação em três casos de fusão indicados ao GCR Awards 2019

26 de fevereiro de 2019

Em 2018, a Tendências fez parte da equipe técnica que contribuiu para a aprovação, junto ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), de três relevantes casos de fusão e aquisição. Tal destaque foi reconhecido pela revista britânica Global Competition Review (GCR), que realiza, todos os anos, uma premiação dos melhores casos do antitruste mundial em termos de trabalho criativo, inovador e estratégico.


Por: Fabiana Tito e Débora Mazetto

Em 2018, a Tendências fez parte da equipe técnica que contribuiu para a aprovação, junto ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), de três relevantes casos de fusão e aquisição. Tal destaque foi reconhecido pela revista britânica Global Competition Review (GCR), que realiza, todos os anos, uma premiação dos melhores casos do antitruste mundial em termos de trabalho criativo, inovador e estratégico.


O primeiro deles foi a aquisição da Votorantim Siderurgia pela ArcelorMittal, que envolveu o mercado nacional de aços longos e foi uma das questões mais complexas do Brasil em 2018. Ela gerou sobreposições horizontais significativas na indústria de aços longos, sendo inicialmente vista como uma fusão de três a dois em uma indústria madura com altas barreiras à entrada. A Superintendência – braço investigativo do CADE – conduziu uma investigação muito acirrada e recomendou o bloqueio da fusão. Após intensas discussões e muitas submissões detalhadas, o CADE aprovou a fusão, condicionada a desinvestimentos. Este é o único caso no Brasil a receber uma recomendação de bloqueio da Superintendência, que mais tarde obteve uma decisão de liberação do tribunal do CADE.


O segundo caso – aquisição da Fibria Celulose, por US$ 11 bilhões, pela Suzano – reuniu os dois maiores participantes do setor de celulose de madeira no Brasil e criou o maior produtor mundial de celulose de fibra curta. Do ponto de vista brasileiro, as participações de mercado resultantes foram além de 50%, mas, dada a presença global das empresas e a dinâmica mundial do mercado, elas puderam mostrar ao CADE que a combinação não causaria preocupações. O CADE se engajou em um teste de mercado muito completo, confirmando a teoria apresentada pelas Partes. A operação foi aprovada sem restrições e também foi liberada nos EUA, na China e em outras jurisdições.


O terceiro caso foi a fusão de €40,2 bilhões entre a varejista italiana de óculos Luxottica e a fabricante francesa de lentes Essilor, que exigiu autorização em 20 jurisdições, incluindo Brasil, Europa, EUA e China. No Brasil, o CADE avaliou os efeitos do conglomerado da operação e a integração vertical decorrente entre a Essilor e a Luxottica. Houve uma extensa discussão de poder de portfólio e possibilidade de fechamento de mercado. No entanto, os argumentos e estudos econômicos apresentados ao CADE foram essenciais na argumentação de que tal estratégia não possuía racionalidade econômica e que a operação não tinha o poder de gerar efeitos anticoncorrenciais. Assim, a operação foi aprovada sem restrições no Brasil, na Europa, nos EUA e na China. A empresa combinada é a primeira global a operar em todos os principais setores ópticos.


A Tendências teve a honra de participar das equipes que trabalharam extensamente para a aprovação desses três casos junto ao CADE, e agradece aos clientes, amigos e parceiros pela confiança no trabalho da nossa equipe de economistas com Defesa da Concorrência.

voltar

Cadastre-se em nossa newsletter e fique por dentro de todas as novidades do mercado econômico e financeiro.